Cumprimento da Sentença. Lei 11.232/05. Matéria de Ordem Pública. Exceção de Pré-Executividade. Impugnação. Inocorrência de Preclusão.

Teresa Arruda Alvim Wambier, José Miguel Garcia Medina, Luiz Rodrigues Wambier, Breves Comentários à Nova Sistemática Processual Civil, Vol....

breves2
Teresa Arruda Alvim Wambier, José Miguel Garcia Medina, Luiz Rodrigues Wambier, Breves Comentários à Nova Sistemática Processual Civil, Vol. 2, Ed. Revista dos Tribunais, 1ª ed, 2006, p.p 151-152. 
"Observe-se que, na execução de sentença proferida ex vi do art. 475-J do CPC, não há espaço para a realização de cognição sobre a existência do direito substancial, não podendo o juiz "rever" os fundamentos da sentença (cf., também, a nova redação do art. 463 do CPC). Nem por isso, contudo, o juiz deixa de realizar atividade cognitiva, embora restrita à verificação da existência dos requisitos da execução e da validade dos atos executivos realizados em seu curso.
Por exemplo, se a sentença não condenou o fiador, porque a ação condenatória foi movida apenas contra o afiançado, este não terá legitimidade passiva ad causam para a execução. Semelhantemente, a nulidade da penhora sobre bem de família deve ser reconhecida pelo juiz no curso da execução.
Como tais matérias podem ser conhecidas ex officio pelo juiz, nada impede que este seja provocado pelo executado antes da oportunidade processual própria para a apresentação da impugnação. Assim, não obstante o Código estabeleça que o executado deverá apresentar a impugnação após a penhora, nada impede que, intimado para o cumprimento da sentença, o executado alegue, por exemplo, que a sentença é juridicamente inexistente, em razão da ausência de citação (CPC, art. 475-L, inc. I). A propósito, a ausência de requisitos para a execução ou a invalidade de atos executivos pode ser arguida mesmo após o prazo estabelecido no art. 475-J, §1º do CPC. Caso, no entanto, o executado deixe de alegar tais vícios na primeira oportunidade em que lhe incumbe falar nos autos, incidirão as sanções referidas nos arts. 22 e 267,§3º, do CPC, conforme o caso."

Notas:
1. "No sentido defendido que consta do texto, já se admitiu a alegação de ausência de título executivo através de exceção de pré-executividade: STJ, 4ª T., REsp 100.998/SP, rel. Min. Sálvio de Figueiredo Teixeira, j. 27.04.1999, DJU 21.06.1999, p.158; STJ, 4ªT. REsp 148.553/SP, rel. Min Ruy Rosaldo de Aguiar, j. 01.12.1998, DJU, 29.03.1999, p. 180." 
Opinião do Leitor: 

Related

Reformas do CPC 701586479642971336

Postar um comentário Default Comments

Deixe o seu comentário abaixo. Debata outros temas em nosso Fórum de Discussões

emo-but-icon

Siga-nos

direito integral - blog jurídico

Conheça os nossos serviços

Recebas as Novidades por E-mail

Pesquisa

Recentes

Comentários

Siga-nos no Facebook

Google+ Followers

Fórum de Discussões - Participe

Side Ads

Sobre o Editor

Autor do Site. Advogado em Curitiba
O editor é Bacharel em Direito e atua predominantemente nas áreas cível e processual civil, prestando consultoria a advogados e colegas de todo o País, sobretudo em matéria de recursos dirigidos aos Tribunais Superiores e execuções.

Reside em Curitiba.

Para contatá-lo, use o formulário.

Footer Ads

item